da ponta dos dedos

.posts recentes

. Clone

. Realidade digital

. California Ruins

. Crescer

. Tomar balanço

. Mais música

. A ilha do pessegueiro

. Abrir horizontes

. Fábula do Peixinho e do S...

. Às Armas

.arquivos

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Quinta-feira, 1 de Junho de 2006

Dam Bô

Voltei ao mais recente albúm de Sara Tavares, Balancê, para apresentar uma música completamente diferente da que tinha antes (o Bom Feeling que esteve aqui em Dezembro). Esta música chama-se Dam Bô, o que não faço ideia o que quer dizer, e aliás, também não percebo bem a letra. Mas adoro esta melodia.

Já lá vão quase 8 anos que vim viver para Lisboa. Daqui a um ano terei passado por aqui um terço da minha vida, nesta cidade que ainda ando a tentar compreender. Numa cidade que ainda não sinto, nem sei se um dia vou sentir, como minha. Lisboa continua a ser uma cidade emprestada, uma cidade  grande de mais para que seja possível conhecer completamente.

Esta música faz-me lembrar Lisboa, acho que deve ser do ritmo, da pulsação. Não é a Lisboa de Belém, da Baixa e dos postais, mas a Lisboa do dia-a-dia. Dos milhares de pessoas que se cruzam na rua, no metro, nos autocarros, nos comboios. A Lisboa das pessoas normais que aqui vivem, trabalham, vão às compras aos grandes centros comerciais e vão à Costa da Caparica quando chega o calor. Lisboa ao som de Dam Bô.


publicado por Ana Teresa Fernandes às 17:21

link do post | comentar | favorito

.eu

.pesquisar

 

.links

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds