da ponta dos dedos

.posts recentes

. Clone

. Realidade digital

. California Ruins

. Crescer

. Tomar balanço

. Mais música

. A ilha do pessegueiro

. Abrir horizontes

. Fábula do Peixinho e do S...

. Às Armas

.arquivos

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Quarta-feira, 11 de Outubro de 2006

Ventania

São cinco da tarde. Estou em casa sentada à mesa da cozinha, com uma chávena fumegante na mão, e olho lá para fora. Gosto de estar aqui enquanto o vento assobia lá fora. A janela é muito grande, consigo ver uma nesga de céu por cima dos prédios, que vai variando entre o azul límpido e o cinzento carregado. Consigo ver também, pessoas que passam completamente despenteadas pelo vento. Ainda não choveu, mas como o tempo está já não deve faltar muito para começar.
Na história que ando agora a escrever um dia o tempo também estava assim:

Escolheram um mau dia para ir ao banco na cidade. O pior foi que o empréstimo não lhes foi concedido e caminham os dois tão exaltados como o vento. Discutem por tudo e por nada e cada nada dá origem a uma tempestade. Prendem-se a ninharias porque não podem falar do empréstimo que não tiveram. Não, sobre o empréstimo não podem falar. Nem sobre de quem será a culpa. Muito menos sobre todos os sonhos que se afundam por falta de financiamento. 

A roda de um carro atravessa uma poça de água no momento em que se levanta uma rabanada de vento mais forte. Ela vai na borda do passeio e fica completamente encharcada. Completamente humilhada deixa escapar aquela lágrima insistente, o banco, a discussão intermitente e agora esta molha.

Ele olha para ela parado, como se tivesse despertado subitamente e então consegue realmente vê-la: frustrada, irritada, enlameada e humilhada. Estas discussões mesquinhas, que se vão tornando tão frequentes, estão a hipotecar a ternura e o respeito que partilham. E tirando isso, o que sobra?

 

A minha imaginação corre muito mais ligeira que os meus dedos e quando acabo de escrever estas linhas, já os dois fizeram as pazes e viveram felizes para sempre.


publicado por Ana Teresa Fernandes às 22:38

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito

.eu

.pesquisar

 

.links

.tags

. todas as tags

blogs SAPO

.subscrever feeds