da ponta dos dedos

.posts recentes

. Clone

. Realidade digital

. California Ruins

. Crescer

. Tomar balanço

. Mais música

. A ilha do pessegueiro

. Abrir horizontes

. Fábula do Peixinho e do S...

. Às Armas

.arquivos

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

. Outubro 2006

. Setembro 2006

. Julho 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Abril 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

. Novembro 2005

. Outubro 2005

. Setembro 2005

. Agosto 2005

. Julho 2005

Sábado, 12 de Novembro de 2005

Insónia

Ontem fui ao teatro.


A peça escolhida foi "Insónia" em cena até dia 20 de Novembro na Casa d'Os Dias da Água na Estefânia. A peça tem como base poemas de Fernando Pessoa e concebida e interpretada por Cristina Bizarro e José Mora Ramos.


Foi muito bom poder (re)descobrir Fernando Pessoa, ouvindo os seus poemas. Para mim a poesia tem de ser ouvida, pois só assim se podem entender todas as nuances, aliterações e entoações que formam a "música" de um poema. E além disso esta peça não é simplesmente uma sessão de declamação, mas sim uma ensenação que usa os poemas como base do texto. Foi muito bom reconhecer lá pelo meio os poemas conhecidos (como o "No tempo em que comemoravam o dia dos meus anos...") mas também foi agradável descobrir outro que nunca tinha lido ou nunca tinha reparado.


Fiquei com vontade até de voltar a pôr aqui no blog poesia de Pessoa. Vou pôr uma pequena, mas têm de a ler alto pelo menos uma vez. Só pelo prazer de ouvir poesia alto.


"Não basta abrir a janela


Para ver os campos e o rio.


Não é bastante não ser cego


Para ver as árvores e as flores.


É preciso também não ter filosofia nenhuma.


Com filosofia não há árvores: há ideias apenas.


Há só cada um de nós, como uma cave.


Há só uma janela fechada, e todo o mundo lá fora;


E um sonho do que se poderia ver se a janela se abrisse,


Que nunca é o que se vê quando se abre a janela."


Poemas Inconjuntos


Alberto Caeiro


publicado por Ana Teresa Fernandes às 23:43

link do post | comentar | favorito

3 comentários:
De Anónimo a 27 de Dezembro de 2005 às 00:12
se tivesses gostava de ter o poema que fals no teu texto. O poema "No tempo em que comemoravam o dia dos meus anos...".
1 Abraço
Calixas
</a>
(mailto:anteropinheiro@gmail.com)


De Anónimo a 17 de Novembro de 2005 às 23:45
Sucesso para o trabalho de investigação. Quem sabe se o país ganha outra Maria Mota!Rui Salvador
(http://ocristo.blogs.sapo.pt/)
(mailto:rjasalvador@clix.pt)


De Anónimo a 17 de Novembro de 2005 às 10:37
É a primeira visita que faço e gostei. Também gosto de Teatro e que tão esquecido anda, basta repararmos no protagonismo quando um artista brasileiro apresenta uma peça e tudo o que é televisões dão a atenção que não dão aos artistas nacionais. Nando
(http://http//cantinhodeazul.blogs.sapo.pt)
(mailto:ferochcar@sapo.pt)


Comentar post